Buscar
  • Synaptyco Cultural Gestão Emocional

Comprometimento.O que é e como incluí-lo em sua vida para consigo mesmo?

Atualizado: Set 10


Comprometimento é uma base estrutural de conhecimento a ser assimilado e praticado, pois para qualquer coisa que escolhamos fazer na nossa vida é preciso dispor dele.

O comprometimento vem do latim ‘compromissos’ e representa o ato de fazer uma promessa recíproca. Partindo deste significado podemos dizer então que, comprometimento consigo próprio é prometer algo a si mesmo.


Por isto que te pergunto agora:

Você está se comprometendo com o quê para consigo mesmo? COM O QUE VOCÊ TEM SE COMPROMETIDO PARA RETORNAR O QUE QUER PARA VOCÊ MESMO? Tem sabido gerir o comprometimento? Você tem conseguido se envolver com atividades e atitudes que retornem para si mesmo?


Comprometer-se é diferente de cumprir. Comprometer-se tem a ver com envolvimento. Cumprir é fazer. Ambos bons, porém pode não ter relação com o comprometimento. Cumprir pode ser mais um check verde na sua lista de pretensões e obrigações. Enquanto é intrínseco ao comprometimento a relação de retorno, do ‘devolver à si’ mesmo a satisfação e energia empregada.


Comprometer-se consigo é poder ter conhecimento suficiente sobre seu universo próprio para poder fazer escolhas e realizações apropriadamente legítimas. Aí sim, quando se une cumprimento e compromisso...Uau! Integram-se recursos para grandes realizações e retornos.


Em parte a falta de lucidez sobre a natureza do comprometimento vem em função da educação moral-cultural-religiosa que distorce o conceito do COMPROMETIMENTO e do FAZER POR SI MESMO E PARA SI MESMO, associando este ato algo ruim.

Normalmente a temática do fazer por si mesmo, vem munida por uma CRENÇA COLETIVA CULTURAL pesada onde o fazer por si e para si só é ‘’permitido’’ se for cumprido com esforço, só havendo valor ou reconhecimento social se, o fazer por si, estiver correlacionado ao esforço. Notamos isto em frases usais do tipo: “Estou me esforçando...’’, ‘’Estou na luta’’, ‘’Sou um guerreiro (a), por isto mereço chegar lá!”

Há também a outra vertente coletiva-cultural distorcida sobre o conceito do ‘ fazer por si e para si’, que parte de julgamentos e críticas sobre o individuo: ‘’ você é muito egoísta’’, ‘’você só pensa no seu humbigo’’, ‘’Você tem que doar para o outro, se colocar no lugar do outro, ajudar e olhar para o outro’’ e então gera culpa.


Não digo aqui que estas frases estejam completamente equivocadas, no entanto, quando se trata da aplicação delas no contexto relativo a aplicação da energia do comprometimento para consigo mesmo, elas podem impactar negativamente, desviando primeiramente o sujeito de si mesmo e então de sua conexão com o sentido de sua realidade e bússulas internaa e, por consequência, acabar por bloquear a energia potencial para fazer girar o seu envolvimento para dar à individualidade o retorno à si mesma.


E, como já disse, por não termos instruções emocionais e comportamentais suficientes durante a formação de personalidade e outros tantas interferências que aprisionam a consciência na ignorância, e impedem a gestão pessoal sadia, falha-se com o autocomprometimento na fase adulta.


Venho então chamar a atenção para o saber sobre si.

É preciso saber trabalhar na inteligência da natureza acerca da individualidade. É preciso aprender a lidar com ela em si. Lembrando que homem e natureza são uma mesma unidade.


O homem é inteiramente Natureza em expressão humana. Assim, poder trazer à consciência este seu todo íntegro é essencial para que seja possível sua aplicação no cotidiano, utilizando do comprometer-se consigo como manifestação da Inteligência em seu poder de realização.


É preciso lucidez sobre o que é comprometimento, para depois ampliar a percepção sobre com o que você está se comprometendo de forma inconsciente e reajustar a força para onde sua consciência realmente almeja, para então, ter condição de retornar à si mesmo o que de fato QUER.


Sempre existe, antes de qualquer ação, o nível de envolvimento que você tem consigo, com o seu todo, esta é a base por onde tudo o que existe e existirá, acontece, o comprometimento.


Suas REALIZAÇÕES DE VIDA, bons ou maus relacionamentos, formação de doenças, escolha e profissão... O envolvimento com o que você emana está diretamente relacionado com o retorno que você terá - comprometimento - esta é uma LEI DO UNIVERSO.

PRESTE ATENÇÃO.

Existe sempre um caminho de evolução, a lucidez!

Vou citar um exemplo da sistemática inconsciente citada acima, correlacionando-a a escolha da profissão.

Quando se acha dever escolher uma determinada profissão para poder retornar satisfação e orgulho à família, ou para adentrar ao mundo de pessoas distintas, ser reconhecido pelo status financeiro conquistado, ou qualquer outro argumento há a possibilidade de estar comprometido, ou seja, preocupado em dar retorno à algo que não tem relação com a legitimidade do sentido interior.

Querer reconhecimento e satisfação financeira são elementos importantes, porém, me refiro a buscar algo somente por estas razões como meta e não consequência, sem que estas estejam em harmonia com o gosto, com o querer real, em respeito aos sentidos e legitimidade.

MAS COMO FAÇO ISTO?

Uma imagem interessante que propõe o L. Gasparetto para se chegar mais próximo de sua legitimidade nas escolhas, é a de se imaginar sentado no Banco das Soluções, de modo que você se coloque em condição de calma, para que a resposta certa apareça, ou seja, a SUA PRÓPRIA E APROPRIADA resposta para a VIDA.

PERGUNTAS A SE FAZER:

Neste caso, qual a profissão certa para mim, para favorecer a mim e ao mundo com minhas habilidades? De que modo contribuirei comigo mesmo e minha ambição e necessidades financeiras para que possa ganhar dinheiro de maneira mais fluida, gostosa, sadia e potencializada, sem necessariamente o motor da crença do esforço ou do motor de satisfazer as expectativas do outro?


Para TODA E QUALQUER ESCOLHA o procedimento é o mesmo....


Acontece o mesmo na escolha por um relacionamento afetivo. Como é a pessoa com quem você quer? Qual é a pessoa que sua família espera para você? Você quer x pessoa porque ela atende determinados requisitos de sua checklist ou porque você se sente bem ao estar com ela, há respeito, parceria, crescimento?


O que de fato faz sentido na escolha?


Em processo de terapia trabalho com meus clientes o uso dos sensos para ampliar a percepção sobre si mesmo no intuito de favorecer escolhas mais coerentes. Este é de fato um dos ganhos mais importantes no processo integrativo.


O uso dos sensos é um grande recurso para situar-se em relação a si mesmo. É uma oferta do organismo para que nos ambientemos nas circunstâncias da vida, para sentir no corpo o que faz bem, o que instintivamente é o certo.


Costumo mensurar o uso dos sensos tal qual o utilizamos no momento da escolha na hora de comer. Quando vamos nos alimentar é mais fácil a percepção dos sensos no sentido de se olhar para determinado alimento e saber imediatamente se ele te apetece ou não, se você ‘gosta’ ou não, muitas vezes sem nem ter experimentado ou até gostando muito, mas não querer naquele determinado dia.


Como você vai perceber, lidar com o que percebeu e agir de acordo com aquele sentido que o teu organismo, teus sensos estão te apontando?


Muitas vezes, ‘deixa-se’ de lado a má sensação diante de uma oferta, comida, profissão, relacionamento, viagem em função da idéia que se faz dele...ou seja da desconexão com o sentidos. Aquele processo descrito acima. Mas, quando, ao contrário, se acolhe a sensação e a direciona em escolhas mais pertinentes ao bem-estar, o resultado é sucesso.


Comprometimento ancora no organismo a individualidade e a natureza. É assunto sério! E, como consequência, na sua realidade, a vitória e o sucesso TAMBÉM SÃO ANCORADOS. Ou seja, a realização de fato daquilo que você sente.


O comprometimento tem haver com sentir, com dar sentido ao seu sentir , e então, ao realizar de atividades pertinentes a este foco. Às vezes o resultado é imediato. Ás vezes é preciso um processo de apuração, de fortalecimento para que você alcance na matéria o que já está sentindo. A isto chamamos de processo rumo à lucidez, para evolução, para que se chegue a determinado contexto.


E a evolução é isto: comprometer-se de forma consciente.

Lucidez!

Estar em estado de lucidez é evoluir.


Observe o quanto vocês estão comprometidos consigo envolvidos consigo e em dar retorno às essas promessas no sentido de conquistas próprias.

Um abraço,

Andréa Fray.

Existe sempre um caminho de evolução!

0 visualização

© SYNAPTYCO. 2019 Todos os Direitos Reservados.